Liderança das fintechs nas rodadas de investimentos e o papel de protagonista do Brasil – Sonia Decoster/Atiki

A América Latina tem atraído nos últimos anos investimentos de Venture Capital, em virtude do cenário maduro de inovação das startups. O Brasil lidera na região com o maior número de startups unicórnio (cujo valor de mercado está acima de US$ 1 bilhão). Dos US$ 9,4 bilhões investidos em startups brasileiras em 2021, 40% foram alocados em fintechscom a categoria de crédito sendo a mais representativa do segmento, seguida pelos meios de pagamento e serviços digitais, conforme aponta o estudo Fintechs Report 2022 da plataforma Distrito.

As fintechs voltadas às soluções financeiras são agentes preponderantes na mudança do cenário bancário e com foco nos desbancarizados, além do fomento de um ambiente inovador e de dinamismo. Ainda que o investimento em startups como um todo tenha sofrido uma desaceleração em 2022 – após um 2021 sem precedentes em termos de investimentos injetados no ecossistema brasileiro -, é importante destacar que o segmento das fintechs na América Latina captou, em abril, um total de US$ 318 milhões em 73 rodadas, de acordo com dados da plataforma Latam Sling Hub.

Para se ter uma ideia da atratividade das fintechs, seis das dez maiores rodadas de investimentos foram alocadas nas startups que prestam serviços ao setor financeiro. Dentre as seis, a Celcoin que recebeu R$ 85 milhões da Innova Capital e a Stark Bank que obteve US$ 45 milhões em um primeiro aporte feito em um negócio no Brasil pelo fundo de Jeff Bezos, fundador da Amazon. Outro dado animador é que, de janeiro a abril deste ano, as fintechs captaram US$ 1,9 bilhão, valor superior ao registrado no primeiro trimestre de 2021.

Ao analisarmos apenas o mês de março deste ano, é possível observar que as fintechs também receberam rodadas de investimentos expressivas: US$ 100 milhões na Flash, Série C, liderada pelos fundos Battery Ventures e WhaleRock; US$ 36,8 milhões na Gringo, Série B, pelo fundo de venture capital VEF e com investimento da Píton Capital; e US$ 60 milhões na Contabilizei, Série C, feita pelo SoftBank. Numa rodada seed, a fintech brasileira Kamino obteve o maior investimento da região até o momento: US$ 6,1 milhões em um financiamento puxado pela Inspired Capital Partners.

É importante salientar que, nestas rodadas, a fintech é analisada a partir de diferentes critérios pelos investidores: o modelo de negócio, a concorrência, o tamanho de mercado e o potencial de crescimento. Explico brevemente: na Série B a empresa está consolidada e o investimento tem como principal objetivo expandir o negócio, recrutar talentos, aperfeiçoar processos, etc. Já na série C, o aporte é direcionado para acelerar a empresa, incluindo a expansão internacional, categoria na qual os fundos de Venture Capital visualizam potencial de escalabilidade e que normalmente antecede a abertura de capital (IPO, na sigla em inglês).

No caso das fusões e aquisições (M&A) entre startups na América Latina, o desempenho positivo também foi visto entre as fintechs: apenas em abril deste ano, 22 de um total de 26 operações de M&A ocorreram no Brasil. Isso demonstra que as empresas tradicionais estão cada vez mais de olho nas startups, analisando tanto o potencial de crescimento quanto de amadurecimento das mesmas. Além disso, são essas fusões e aquisições de fintechs que possibilitam as companhias de impacto a integrarem o chamado “ecossistema de inovação”, mantendo-se atualizadas em relação às novas tecnologias e às reais necessidades do cliente.

Um ponto preponderante neste contexto está atrelado à regulação: o Banco Central (BC) e o Conselho Monetário Nacional (CMN) tem procurado publicar normas e regulamentos que visam o acompanhamento da evolução do sistema financeiro, inclusive oferecendo segurança jurídica aos clientes das fintechs.

Com este panorama de reconhecimento de um ecossistema maduro e completo, constituído de hubs de inovação, aceleradoras maduras e uma cadeia de capital estruturada, com investidores nos diferentes estágios de crescimento, podemos vislumbrar algumas tendências em um futuro de curto e outro de longo prazo. A evolução do open banking para o open finance e das transações descentralizadas (Defi) – estas construídas em rede de blockchain – impulsionarão mais rodadas de investimento para a criação de fintechs.

Convém salientar que um passo à frente foi dado no mercado das criptomoedas com a aprovação pelo Senado do projeto de lei 4401/21 quanto à sua regulamentação. Outro caminho que se pode descortinar é o das empresas criando suas próprias fintechs com o intuito de agregar serviços financeiros às suas atividades-fim. Em um futuro a longo prazo, com a introdução do Real Digital que continuará no processo evolutivo de inclusão financeira pós-advento do PIX, o Brasil assume um papel perene de protagonismo no ecossistema de inovação do segmento financeiro na América Latina.

Deixe um comentário